22.5.18

Não consigo mais reconstituir o nosso amor


Pode parecer muito
Mas foi o pouco que restou
Fotos desbotadas numa caixa de bombons
Teu cinzeiro de prata ressentindo a tabaco
Rascunhos de poemas em papeis garranchados
Livros com trechos sublinhados
Algumas roupas amassadas no armário

Trechos de nossas árias preferidas
Que o vento traz não sei de onde
E logo carrega pra longe
Lenha na lareira queimada pela metade
Rolhas acumuladas no grande frasco agora empoeirado
A visita da coruja sempre no mesmo horário
Um lenço manchado esquecido no bolso do casaco

São lembranças fragmentadas
Mas já muito distorcidas
De uma história viva que fez todo o sentido
Naqueles momentos difíceis e delicados
Agora vestígios descontinuados
De algo que precisou morrer
Mas não foi enterrado

Sem a tua presença
As pontas não mai se ligam
E tentar entender o que ficou pelo caminho
É perder tempo realimentando o sofrimento
Sem conseguir resgatar nada daquilo que foi válido
Pois uma cerca viva com espinhos protege o que foi bom
Ajudando a manter suas raízes firmemente fixadas no passado

21.5.18

Há uma brutal poesia


Na vida
E também
Nas placas de estrada
Que enferrujam
Crivadas de balas

17.5.18

No semáforo


Ele não permite mais ninguém
Não divide seu espaço

Artistas, desocupados
Pedintes, pastores mal encarados

Ambulantes e suas quinquilharias
Todos dali são enxotados

Quando param os carros
Se os faróis estão apagados

Ele ordena que se acendam
Abrindo os braços

Todos lhe obedecem
Como que hipnotizados

É seu direito inquestionável
Como dono do espaço

Autodenomina-se Profeta, o Ungido
E só assim aceita ser chamado

Está incumbido de uma dura missão
Um trabalho que não pode ser delegado

O de salvar o planeta de todo o mal
Usando os poderes que lhe foram dados

Afirma pra todo mundo que nunca mais comerá
Mas está visivelmente esquálido

Porém muito ativo
Impressiona seu olhar injetado

Serpenteia alucinadamente entre os veículos
Com seu corpo sujo e magro

Diz absorver toda a energia de que precisa
Tocando na luz acesa do farol baixo

São suficientes 3 segundo por lâmpada
E não mais que uma por carro

O procedimento exige que fique com a mão espalmada
Sorvendo a energia em contato com o plástico

Nunca mais adoecerá
Só precisa de 20 contatos por intervalo

Viverá para sempre
Se não falhar em seu labor sagrado

Está disposto a servir como mártir
Pelo tempo que se fizer necessário

16.5.18

Chovem palavras


Nas goteiras do meu pensamento
Recolha-as em panelas, canecas, baldes
E quando a tempestade passa
Espero que se acalmem, sedimentem
E só aí corro pra ver o que caiu lá dentro

Com a mão mesmo
Vou separando uma a uma
E as empilho
Fazendo arranjos
Que elas mesmas vão me ditando

Ideias confusas vão ficando claras
Alguns conjuntos começam
A ter novos coloridos
E é assim que acontece pra mim
A magia da multiplicação dos sentidos

É incrível pensar
Que mesmo antes da chuva
Tudo já estava lá
E que me coube apenas a deliciosa tarefa
De encontrar para cada uma um lugar

15.5.18

Para que o amor que não deu certo


Não se arraste por tempo indeterminado
Deve-se evitar o contato
E deixar de alimentá-lo

14.5.18

Mas afinal


O que as palavras precisam ter
Para ser poesia?

Para mim
Só é poesia aquilo que te diz algo
Que te contamina

Não é poesia
Uma pilha ou apanhado
De palavras vazias

Mesmo que estejam arrumadas
De forma bem bonitinha

11.5.18

Amar


Aquilo que definitivamente está perdido
É sofrer sem sentido

Amar

O que nunca mais estará ao alcance da mão
É recusar-se de forma absurda a aceitar o não

Amar

Alguém que te vê como questão encerrada
É condenar a via a uma direção errada

10.5.18

Só não posso me conformar


É que tenhas alguém
Pra te consolar
Naqueles momentos de dor
Quando contigo
Não consigo estar

9.5.18

Parfois


Il n'y a pas de mots
Qui expriment mieux
Un sentiment
Que un regard
Directament lancé
Pour la personne
Qui porte une douleur

8.5.18

A luta interior é constante


Ataque e defesa
Ocorrem a todo instante

Somos bússula de nós mesmos
E a espada é nossa agulha

Tutor que nos faz ver
O melhor e o pior do nosso ser

A concretização da metáfora
Que nos orienta e inspira

Nos ajuda a ter serenidade
No campo de batalha da vida

O Dojo nos dá guarida
Molda o nosso corpo e pensamento

Vivenciamos a harmonia
Melhorando técnica e comportamento

Aprendemos assim a usar para o bem
A nossa energia

Nossas ferramentas são o respeito
A disciplina e o tempo

Temos como base o Budo
E é assim que nasce em nós o Aikido

4.5.18

Querida


Dormes o sono pesado
Dos que deram o sofrimento por encerrado

Te deixo tranquila
Restaurando as forças
E cuidando para que nada te perturbe
Pois quando acordares
Um trabalho hercúleo te espera
Será longa e complexa
Tua volta à própria vida

A mesma vida que deixaste
Enquanto te dominava a paralisia

Sei bem como no teu íntimo lutavas
E sistematicamente eras derrotada
Mas agora considere vencida a catatonia
E eu me sinto feliz de ter te ajudade
A superar a ti mesma
Tua maior inimiga

3.5.18

A humanidade está doente


As pessoas estão doentes
Há uma epidemia de solidão

De egoísmo e narcisismo
Que pode nos levar à extinção

Tudo sob o risco de ser destruído
A tecnologia não tem nos ajudado muito nisso

E talvez até justifique
A ocorrência de tanto suicídio

Respeitando a autonomia
Direito sagrado do indivíduo

Mas ao mesmo tempo
Não podendo ficar indiferente a este limbo

Deixo aqui registrada a minha indignação
Cedendo meus ouvidos e ombro amigo

Para chorarmos juntos se for preciso
Mesmo que nada mais seja possível:

"Meu querido

Acabar pendente
Numa corda

Pode não ser a melhor
Ou a única forma

De por fim
Às Questões pendentes"

2.5.18

Hoje


O Sol resolveu se atrasar
A lua agradeceu e lhe disse:
- Não precisa se apressar
Meu amor ainda está aqui
E quero que demore muito pra partir

27.4.18

Nosso amor


Foi para mim
Uma verdade profunda
Um resgate
Um processo de cura
De inquestionável valia
Que fez renascer meus sentidos
Me devolvendo para a vida

Só lamento que pra você
Pelo que hoje posso entender
Esse amor não foi mais que uma aventura
Uma fantasia
Que com o tempo
Foi se tornando oca
E agora está completamente vazia

26.4.18

What use to us


Have so many plans
If we do not even know
If they are ordered
Or where we keep them?

25.4.18

Não me atrevo a dormir


Por muito tempo
Para não correr o risco
De te esquecer
Deixando de sentir
Nas pontas dos dedos
Tudo o que tivemos

Hoje
O que mais preciso
É lembrar
E reconstruir
Os detalhes de nós dois
Em cada momento

Só assim
Não ficarei ainda mais só
Do que já estou
Poderei descansar
E conseguirei
Seguir vivendo

24.4.18

Uma cena


Que não me abandonará jamais

Como esquecer
Aquele último olhar?

Que na despedida
Já me dizia:

- Até nunca mais!

23.4.18

Tuas portas


Há tanto tempo fechadas
Já estão com os ferrolhos emperrados

Mas há um movimento lá dentro
E isso é inegável

Ele é crescente
Uma ebulição latente

E a estrutura não será capaz
De segurar tantos sentimentos aprisionados

São incontroláveis e sua força descomunal
A qualquer momento pode explodir os telhados

20.4.18

Para curarse de un amor fracasado


Sólo con un nuevo amor recién conquistado
Si no, en la soledad, el amante siempre se volverá
Para ese amor que quedó mal resuelto en el pasado

19.4.18

Só lamento o que não vivemos


A conclusão a que chego
É que você não me amou

Pois quem ama se entrega
E você não se entregou

Nunca declarou o seu amor
E só agora compreendo

Mas por outro lado
Se não se entregou

Apesar dos apelos
Mesmo havendo amor

Morreremos
Sem ter sido plenos

Não teremos feito jus ao humano que fomos
E regredidos voltaremos

Você no máximo como um anelídeo
E eu como um psitacídeo cantando no poleiro

18.4.18

Em algumas relações


A solidão é tanta
Que há o suficiente
Para encher muitas vezes
A taça de ambos
E ainda sobra pra depois

17.4.18

Não consigo entender


Por que bates
À porta do meu ser
Com tanta insistência
Sem falhar nenhum só dia

Se sempre que abro
Te recusas a entrar
Ainda que eu reforce
O quanto és bem-vinda

16.4.18

Toute histoire


Il devient en fait plus convaincant
Quand qui compte
Le mettre
Quelque chose de lui-même
Bien que subtilement

13.4.18

Sugiro que estejas preparada


E não adianta trancar todas as tuas portas
Pois quando decido amar
Dou um jeito de entrar
Mesmo sem ser convidado

Escalo os muros dos vizinhos
Ando pelos telhados
Desço por chaminés
Encontro janelas semicerradas
Sótãos com claraboias emperradas
Porões com respiros mal fechados
Meu amor não tem como ser barrado

Ele se insinua
Escorre pelos pisos
Se infiltra nas fissuras
E em pouco tempo
Teu território de dentro
Estará totalmente dominado


12.4.18

O lugar da poesia


Não é nos cadernos quase cheios
Nos livros amarelados
No verso das fotografias de outros tempos
Nos cartões postais de tantas idas e vindas
Nas folhas esquecidas nas gavetas

O lugar da poesia

É no sangue que ferve
Nas bocas que não se fecham
No suor que escorre na pele
Nos peitos arfantes
Nas orelhas atentas

O lugar da poesia

É na vida inteira
No que há de importante e na besteira
No interior das cabeças
No que o ser tem de nobreza
No que nos faz humanos e dá sentido à existência

11.4.18

Sentir saudade pra quê?


Só pra reacender o risco
De novamente eu me perder
Já sabendo que vou sofrer?

Saudade é uma forma de ter
Mas também pode ser
A confirmação do perder

Lamento lhe dizer
Mas depois de muito pensar
Concluí que fico melhor se não vejo você

10.4.18

O tempo é ao mesmo tempo


Criador e assassino.
Na medida em que passa, mata a paixão
Para que nasça um amor mais denso e até maciço.

É preciso saber que são esses os sentimentos
Que dão sentido à vida e por isso devem ser vividos.
Mas também lembrar que ambos carregam em si ganhos e prejuízos.

Quem se apega demais à fantasia e ao fogo da paixão
Talvez sinta falta de emoção e não se acostume
Com a singeleza e a serenidade de um amor mais definido.

9.4.18

Sabe por que foi tão difícil


Terminarmos o relacionamento?
É porque não tivemos tempo
De encerrar a fase do encantamento

6.4.18

Quando a questão é sentimento


Faz tempo
Que o tempo perdeu o sentido pra mim
E não me diz mais respeito

5.4.18

Nem todas as cobranças devem ser pagas


Nem todas são justas
São dívidas
Lícitas

Há cobranças que são extorsivas
Essas devem ser ignoradas
E até mesmo esquecidas